Skip links

A Cúpula do Clima em Katowice (COP 24) confirma a disposição de continuar a se engajar na luta contra as mudanças climáticas

Foto de capa: COP 24

Em dezembro passado, a 24ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP24) foi realizada em Katowice, Polônia, em que participaram os Estados membros das Nações Unidas, que se reuniram para debater e avançar medidas para combater o fenômeno. Apesar de não se traduzir em grandes avanços, Katowice endossou a disposição dos Estados membros de continuar a se engajar na luta contra a mudança climática.

Participaram do congresso chefes de estado e de governo, ministros do Meio Ambiente, ministros de Relações Exteriores, entre outros cargos importantes, e representantes da União Européia, que trabalharam durante essas duas semanas em diversos temas relacionados aos princípios voltados para a implementação de os Acordos de Paris.

Foto: COP 24

Os tópicos mais destacados durante a cúpula foram: a necessidade de ter melhores fontes de financiamento para implementar ações climáticas, tendo sido reconhecido em cúpulas anteriores que mais recursos deveriam ser alocados para a mitigação e redução dos efeitos das mudanças climáticas; a transparência, para tornar visíveis as informações sobre o assunto e aumentar a credibilidade entre os países, e a necessidade de um maior nível de compromisso entre todos os presentes.

Após doze dias de negociações, a COP24 foi selada com a aprovação do chamado Livro de Regras (https://unfccc.int/Katowice). Ele estabelece, pela primeira vez, um sistema de monitoramento do progresso dos países, para que cada um deles possa medir o progresso de suas medidas e a contribuição que elas supõem globalmente. Além disso, reconhecendo as peculiaridades de cada país, o Livro de Regras é flexível e concede um período de adaptação ao mecanismo aos estados que precisam.

Katowice demonstrou mais uma vez as boas intenções dos países em sua luta contra a mudança climática e mostrou que eles estão confiantes em ter financiamento suficiente para alcançar os objetivos estabelecidos para 2020. No entanto, enquanto o ímpeto global das COPs não tem precedentes, ainda há muito a ser feito para converter as vontades dos atores em mudanças reais. A COP25, que será realizada no Chile em 2019, testará o real comprometimento dos países do mundo e examinará especialmente o envolvimento da América Latina diante do fenômeno.

Para a região, uma das mais urbanizadas e envolvidas na luta contra as mudanças climáticas no mundo – exemplo disso é a iniciativa do Pacto Global de Prefeitos -, a COP24 foi um avanço relativo, conseguindo aumentar o nível de ambição climática dos países, mas deixa claro que requer um maior compromisso dos mais industrializados quando se trata de alocar mais recursos para detê-lo.

Sobre o Pacto Global de Prefeitos pelo Clima e Energia

O Pacto Global de Prefeitos pelo Clima e Energia reúne formalmente o Compact of Mayors e o Covenant of Mayors da UE, as duas principais iniciativas das cidades para ajudar as cidades e os governos locais na sua transição para uma economia de baixo carbono e demonstrar seu impacto global. Dirigido pelo Enviado Especial do Secretário Geral das Nações Unidas para Cidades e Mudança Climática, Michael R. Bloomberg, e o Vice-Presidente da Comissão Europeia, Maroš Šefčovič, a coalizão compreende mais de 9.149 cidades em 6 continentes e mais de 120 países, que representam mais de 700 milhões de pessoas ou 10% da população mundial. Obtenha mais informações em http://pactodealcaldes-la.eu . O Pacto Global de Prefeitos pelo Clima e Energia na América Latina e no Caribe é o capítulo da América Latina e do Caribe que trabalha para estabelecer o Pacto Global na região.

Join the Discussion

Return to top of page